Cooperativa propõe comprar pescados de Buritis

Na manhã de sexta-feira (20) o Superintendente do Ministério da Agricultura Willian Barbosa, o presidente da Coopindaiá Luciano Andrade, membros da Emater e lideranças políticas se reuniram com agricultores no plenário da Câmara de Vereadores de Buritis.  O evento busca estreitar o contato entre produtores rurais do município e a Cooperindaiá, uma cooperativa de Luziânia que recebe produtos de mais de 10 cidades do Distrito Federal e Entorno.

A Cooperindaiá atua em vários segmentos como leiteiro, horticultura e fruticultura, mas a principal proposta apresentada na reunião foi de incentivo a criação de peixe, mercado que está em franco crescimento e acaba de entrar no ramo de atividades da cooperativa. A Coopindaiá se lança em busca de parcerias em toda região para conseguir atender a demanda de peixe no Mercado de Peixe de Brasília-DF, espaço que fica dentro da CEASA-DF (Centrais de Abastecimento do Distrito Federal) e desde outubro está sob a coordenação da cooperativa.

Além de atender a demanda do consumo no varejo do DF, próximo de 45 mil toneladas ao ano, a cooperativa fornece o alimento na rede escolar e de algumas cidades no Estado de Goiás. Atendendo uma ordem dos governos que estabelece ao menos um vez na semana que o peixe seja incluído no cardápio escolar. Com estrutura frigorífica para processar toneladas de peixe ao dia, o presidente afirmou o interesse de comprar toda a produção de peixe de Buritis, com garantia de pagamento, posto que a cooperativa tem cerca de R$ 1 milhão em caixa para investir no mercado de piscicultura.

O prefeito Keny Soares estava na reunião e destacou a importância de apoiar a criação de peixes em Buritis, o que pode ser uma alternativa para a geração de emprego e renda.  Keny manifestou apoio da prefeitura através da Secretaria de Agricultura, no sentido de acompanhar os agricultores que optarem pela criação de peixe. Para o chefe do executivo municipal a vinda da Coopindaiá a Buritis pode alavancar a piscicultura no município, muito em função da garantia da compra da produção por parte da cooperativa.