CPI do Prontuário Eletrônico ouve as primeiras testemunhas

Na quinta-feira dia 12 foram ouvidas as primeiras testemunhas da CPI do Prontuário Eletrônico na Câmara de Vereadores de Buritis. A comissão parlamentar de inquérito foi instaurada para investigar possíveis irregularidades na instalação de prontuários eletrônicos nos departamentos de saúde do município.

O projeto Construindo Saúde destinou R$ 189 mil da Prefeitura de Buritis para a empresa Atual Gestão e Estratégia no ano de 2012, pagos em 10 parcelas durante a administração do ex-prefeito Keny Soares. Segundo vereadores, o sistema que deveria interligar informações da saúde e melhorar o atendimento da população não está em funcionamento.

A CPI do Prontuário Eletrônico conta com o vereador Luan Cordeiro (PP) na presidência e com os vereadores Didé (PHS) como relator e Carlos Fernando (PDT) na vice-presidência. Os trabalhos foram acompanhados por Fábio Ramos, assessor jurídico da Câmara, Marcos Aurélio, procurador do Governo Municipal, Rinaldo de Faria, procurador do ex-prefeito Keny Soares e Francyelle Priscila, gerente administrativa da Câmara.

“A condução do trabalho foi tranquila e coletamos muitas informações importantes para o parecer final do relator”, informou Luan Cordeiro após 11 horas de audições. O vereador destacou que a CPI foi instaurada no mês de maio e os membros da comissão visitaram postos de saúde e vem analisando documentos desde então.

Na segunda-feira dia 16 de setembro serão ouvidos representantes da empresa Atual e outras testemunhas.